Pesquisar este blog

segunda-feira, 22 de maio de 2017

400.000 CONSULTAS

400.000

ULTRAPASSAMOS AS 400.000 (QUATROCENTAS MIL) CONSULTAS. ESSA MARCA É MAIS UM INCENTIVO PARA QUE CONTINUEMOS O TRABALHO DE AJUDAR A QUEM NOS PROCURA EM BUSCA DE AJUDA NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA PORTUGUESA.

MUITO OBRIGADO A TODOS!!!

sábado, 29 de abril de 2017

QUEM TINHAM DUAS BOLAS?

Professor, em “Fábio reclamou bastante que tinham duas bolas em jogo”, o emprego do verbo “ter” está correto?

No registro formal culto, o verbo ter não deve ser usado com o sentido de “existir”, “haver”, “ocorrer”. Como verbo principal de uma frase, seu emprego deve sempre relacionar um possuidor (sujeito) a algo possuído (objeto).

  • Eu tenho um livro.
  • Maricota tem dois cachorros.
  • Adolescentes costumam ter cravos e espinhas.

Na frase da consulta, “Fábio reclamou bastante que tinham duas bolas em jogo”, se perguntarmos ao verbo “quem tinham duas bolas”, não teremos uma resposta lógica e efetiva, logo não há sujeito explícito (e muito menos implícito).

Seria o caso de um sujeito “indeterminado”? Também não, pois nesse fato gramatical existe o sujeito, mas o autor não quer ou não se interessa em expressá-lo...

Seria o sujeito a expressão “duas bolas”? Também não, pois duas bolas não podem ter duas bolas...

O que ocorre, finalmente, é que o autor da frase usou o verbo ter com o  mesmo sentido de “haver” impessoal e, ainda por cima, equivocou-se na concordância verbal, fazendo o verbo concordar com o objeto direto.


O correto, portanto, é “Fábio reclamou bastante que havia duas bolas em jogo”. 
O autor da frase, com certeza, inspirou-se no saudoso locutor Luciano do Vale, que não se cansava de dizer que “tinham dois jogadores impedidos”...

quinta-feira, 20 de abril de 2017

DESINTERIA / DISENTERIA

Professor, a propósito da declaração “Gilmar Mendes de ter tido uma ‘desinteria verbal’, e atribuindo as acusações à “decrepitude moral” do ministro do STF” o correto é desinteria ou disenteria?.

Os prefixos “des-“ e “dis-“ têm o mesmo valor semântico: juntam-se ao início de palavras (são prefixos) para acrescentar-lhes o valor de contrariedade, dificuldade ou privação.
Há uma pequena observação quanto ao emprego: o prefixo “des-” junta-se a palavras portuguesas, o prefixo “dis-” junta-se a palavras latinas, que depois evoluíram para o Português.

O radical grego “enteros” está na formação da palavra portuguesa “intestinos”.

Quando há mau funcionamento dos intestinos, devemos dizer “disEnteria”, respeitando e etimologia da radical “enteros”.

terça-feira, 4 de abril de 2017

SE VOCÊ VER / SE VOCÊ VIR?

Está certo isto,Professor? “Se você VER pixels brancos em meio as outras cores, já sabe: não é uma TV 4K RGB.

Não!

Quando há dúvida ou incerteza sobre a efetividade da ação que se quer expressar, usa-se o modo subjuntivo do verbo. O verbo VER, no futuro do subjuntivo é: “se eu vir; se tu vires; se ele (você) VIR; Se nós virmos; se vós virdes; se eles (vocês) virem.

O equívoco decorre da semelhança gráfica e fonética entre os verbos VER e VIR: “se eu vier; se tu vieres; se ele (você) vier; se nós viermos; se vós vierdes; se eles (vocês) vierem.

segunda-feira, 20 de março de 2017

SOBRE VÍRGULAS

Professor, gostaria de saber se o uso das vírgulas está correto em: “A presidente do STF, Cármen Lúcia, deve priorizar, em abril, processos de repercussão geral...”.

A expressão destacada exerce a função sintática de aposto explicativo, isto é, define o termo anterior. Como em “Nós, os brasileiros, precisamos melhorar nossos conhecimentos políticos”, o termo negritado diz quem está incluído no pronome “nós”. Poderiam ser os argentinos, ou os paraguaios, ou os vendedores de eletrodomésticos, ou qualquer outro grupo. A norma gramatical determina que todo aposto explicativo seja isolado por vírgulas. Devem-se usar DUAS vírgulas, uma antes e outra depois do aposto explicativo.

Já o uso das vírgulas isolando o termo “em abril” explica-se por tratar-se de um adjunto adverbial posicionado entre o verbo e o objeto direto.

sábado, 18 de março de 2017

QUEM USA SUTIÃS?

Professor, a frase “Angelina Jolie reúne-se com arcebispo sem sutiã e causa constrangimento” está correta?

Gramaticalmente está impecável.

Quanto ao sentido, entretanto, apresenta um defeito grave que prejudica o entendimento. O leitor pode indagar sobre “quem estava sem sutiã” e a pergunta teria razão de ser, embora saibamos que os arcebispos, em geral, não têm o hábito, nem a necessidade, de usar sutiãs.

Trata-se de uma “ambiguidade”. Da forma como foi escrita, pode-se entender que o arcebispo não usava sutiã, embora absurda, a leitura permite tal interpretação.

Para eliminar as ambiguidades, pode-se trocar ou eliminar um termo, deixando que o contexto produza o significado, ou muda-se a posição de um termo na frase.

Elimina-se um termo: “Angelina Jolie reúne-se com arcebispo e causa constrangimento por não usar sutiã” e na sequência do texto explica-se o motivo do constrangimento, isto é, ela não usava o dito cujo.

Mudança de posição de um termo: “Angelina Jolie, sem sutiã, reúne-se com arcebispo e causa constrangimento”.

sexta-feira, 10 de março de 2017

O COMPONENTE / A COMPONENTE

Professor, em “O desequilíbrio fiscal, que tem nos assolado de forma crescente desde 2012, tem duas componentes. A primeira é o desejo da sociedade de enfrentar a agenda da inclusão social. A segunda componente é o poder das corporações, principalmente dos servidores públicos”, a concordância do substantivo componentes está correta?
O dicionário A. Houaiss diz o seguinte sobre o verbete COMPONENTE:
adjetivo e substantivo de dois gêneros
Assim sendo, o vocábulo deve atender sempre às normas de concordância nominal (gênero e número), em seu emprego.
No fragmento textual apresentado na consulta, o termo “componente” refere-se a “desequilíbrio fiscal”. Por conseguinte, nas três ocorrências, deve ser grafado no masculino singular, para a correta concordância nominal.
“O desequilíbrio fiscal, que nos tem assolado de forma crescente desde 2012, tem dois componentes. O primeiro é o desejo da sociedade de enfrentar a agenda da inclusão social. O segundo componente é o poder das corporações, principalmente dos servidores públicos”.